quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Juveninho e as tijucanas do Brasil



Juveninho está ficando careca.

Este é seu último verão com bordas no telhado, e ele precisa garantir o quanto antes uma morena vitalícia. Mas onde ela está? Onde está “A” morena capaz de unir a simplicidade alegre da Zona Norte ao horizonte mental da Zona Sul? Ou melhor: onde está a simplicidade? Onde está o horizonte? O Rio de Janeiro, diz Juveninho, virou uma Tijuca sem fim. A Faixa de Gaza engoliu Israel e Palestina. Glu, glu!

Para os dois lados, alastrou-se o espírito das tijucanas de raiz, arremedos de patricinhas reconhecíveis a quilômetros, segundo Juveninho, pela silhueta rechonchuda, marca indelével da preguiça de malhar somada a muito “chopinho” com batata frita ao molho cheddar em nights e happy hours. Assim como as barrenses de origem Zona Norte (espécies, ao menos, mais atléticas de tijucanas, diz Juveninho), elas tanto mais revelam sua cafonice quanto mais tentam camuflar suas raízes entre brilhos multicoloridos (nos olhos, na roupa, no cinto...), blushes, bases e batons, todas eternamente vestidas pela mamãe para uma festa de 15 anos.

Para Michelangelo, a beleza era a purgação do supérfluo. Para as tijucanas, diz Juveninho, o supérfluo é a condição da beleza: o único passaporte para o clubinho de “gente bonita”, onde buscam sem sucesso a redenção para o estigma de suburbanas. É por isso que a Zona Norte, na concepção elogiosa de Juveninho, começa depois do Méier. Quanto mais perto da Zona Sul, mais extraviada, caricatural e infantilizada é a tentativa de elegância. Quem quer tanto se diferenciar da “gente feia” (vulgos pobres, ele traduz) acaba virando um ET.

No verão carioca, com o desembarque de “tijucanas” de todo o Brasil, é como se o Rio de Janeiro fosse sequestrado por extraterrestres, com a diferença, segundo Juveninho, de que, ao menos nos filmes, os extraterrestres nunca vieram com peitos de borracha. Disseminado pelo exemplo supremo das celebridades – a imensa maioria delas, no mundo real, um notório fracasso em matéria de vida amorosa –, o silicone é, para Juveninho, a mais emblemática de todas as caipiradas, mais até que a bolsa rosa shock com detalhes e corrente em dourado.

Se peitões atraem homens, como dizem os “especialistas”, ninguém senão Juveninho parece perguntar que tipos de homens são esses, nem qual a importância ou a durabilidade dessa atração, sobretudo após a revelação da farsa (o que, em alguns casos, segundo Juveninho, só ocorre mesmo através da análise tátil, entre quatro paredes e dois ou três espelhos). No país da diversão obsessiva, a popularidade do silicone, diz Juveninho, é a prova de que o horizonte mental das moças é do tamanho de uma noitada. O que faz sucesso na Quartaneja da Melt traz felicidade para a vida inteira. Afinal, imita Juveninho, “a blusinha veste melhor...”

Em termos de caipirada, ele compara, só chega perto do silicone (a rigor, o motiva) o deslumbre por galãs de novela, cinema, música e esportes, exercido diariamente no facebook por “tijucanas” virtuais que não veem a menor incompatibilidade entre esse despudor público e o sonho de viver um grande amor. Acham natural que seus futuros ou atuais namorados saibam exatamente quem são os homens que lhes deixam loucas, tendo eles a obrigação de não dar a mínima bola para isso. Confessam entre risos a milhares de “amigos” (dos amigos dos amigos...) suas fantasias eróticas com ilustres desconhecidos, e depois ficam frustradas (para não dizer revoltadas) quando os conhecidos menos ilustres a realizam e vão embora.

Essas moças, diz Juveninho, encomendam o chifre e o pé na bunda com tanta antecedência que, quando eles chegam, elas já nem se lembram mais que foram elas que pediram (muito menos, lembra Juveninho, que foram vistas sem maquiagem pela manhã...). Passam então a postar milhares de citações pseudoliterárias de mulher mal amada, retiradas de seriados de TV e revistas masculinas, femininas e de domingo, cuja única função é incitar o rancor por quem não as escolheu. Juveninho lhes devolve, então, a responsabilidade: quando a mulher abandona o pudor, ele ensina, mais cedo ou mais tarde todo homem a abandona.

Assim como o acesso à internet expõe a um bombardeio de informações (e ao ridículo, conclui Juveninho) pessoas absolutamente despreparadas para absorvê-las, o acesso a novos bens de consumo, em tempos de crescimento econômico, desperta a cafonice adormecida do povo. E quando até as elites estão esvaziadas de espírito, e desprovidas portanto dos sensos de hierarquia e de estética que só a imersão numa cultura superior lhes transmitiria, o resultado, diz Juveninho, é a tijucanização geral do país. Não à toa, quando anda pelas ruas do Leblon, Juveninho se sente no presente alternativo de “De volta para o futuro”, buscando um meio de voltar ao passado para impedir que Biff Tannen receba o almanaque que o levará ao poder.


Juveninho, porém, nasceu há dez mil anos (porque “atrás”, ele diz, é coisa de Paulo Coelho) e lembra que Lima Barreto, há quase 100, já descrevia a opção brasileira pelo fingimento: “Não há na maioria daquela gente uma profundeza de sentimento que a impila a ir ao âmago das coisas que fingem amar, de decifrá-las pelo amor sincero em que as têm, de querê-las totalmente, de absorvê-las. Só querem a aparência das coisas...” Estética e socialmente, define Juveninho, o Brasil de hoje é uma macaqueação cíclica de tijucanas (de raiz, de elite e de TV), umas tentando aparentar as outras, numa imensa e apatetada histeria consumista, onde todas as relações, como as chapinhas, se esvaem à primeira gota de chuva. Tóin!...

Os amigos, dessa vez, escutam Juveninho em silêncio. Não ousam discordar de seus comentários, nem apontar suas incoerências. Não vão sequer acusá-lo de ressentimento por alguma tijucana patricinha (pleonasmo!, grita Juveninho) que teria se recusado a dançar com ele a valsa eterna dos 15 anos. Muito menos espalhar que Juveninho foi visto na Melt com uma extraterrestre de bolsa rosa shock com correntinha dourada. Em hipótese nenhuma, tentarão convencer Juveninho das delícias do chopinho com batata frita e dos peitões de silicone com molho cheddar.

Ninguém tampouco insinuará que Juveninho esfrega minoxidil nas “entradas” e toma finasterida todas as noites, com medo de perder a vaga no clubinho de “gente bonita”, onde, aliás – eles não resistem – suas musas sempre lhe deram bola preta. Nada disso!, eles gritam. Juveninho está ficando careca, e o médico mandou não contrariar. Por isso, todos estimulam a continuação da busca juveniniana por uma morena terráquea, sincera e elegante em sua simplicidade, limitando-se apenas a consolar com amor e afeto o cabeçudinho do grupo:

“Calma, Juveninho. O boné veste melhor...”

******

Mais histórias de Juveninho - aqui.
As 25 músicas favoritas de Juveninho - aqui.

8 comentários:

  1. Eu não posso falar mal das tijucanas, já que vivi muitos dos melhores momentos da minha juventude (que já foi embora) nas boates Virtua Dance e Terceiro Milênio.

    (...)

    E Pim, diga ao Juveninho que até as tijucanas, sejam elas da Praça da Vanhargem ou mesmo da Dias Ferreira, merecem ser amadas.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Ah Juveninho...vc é lindo de qualquer jeito! Mas achei q pegou pesado com as "Tijucanas" de todo Brasil, vai acabar perdendo leitoras. Onde foi parar sua leveza? Acho que toda mulher tem o seu lado cafona sendo do Leblon ou de Sulacap. Chega de ser tão regionalista!

    ResponderExcluir
  3. Ahhhh, Juveninho! Se tu conhecesses melhor uma Tijucana, transformaria essas palavras em vento. Como falar dessa forma de moças que usam peitos de borracha, que exageram na maquiagem e se entopem de batata frita com cheddar? Você acha mesmo que somos só isso? Vejo que você tem uma visão muito superficial, típico de uma pessoa que tirou por uma, o todo. Por onde andas? Em que mundo vives? Será mesmo que é só nesse bairro da zona norte que você encontra mulheres como descrevestes? Olha ao teu redor e veja as moças do Leblon, Ipanema, Jacarepaguá, Méier, Realengo, Marechal Hermes ou quiçá Irajá. Não achas que em cada canto do Rio podemos encontrar uma mulher com as características traçadas por ti, características simplesmente tidas como Tijucanas?

    Uma aproximação das meninas que habitam o território onde morou Erasmo Carlos e Tim Maia seria uma boa maneira de relativizar teus comentários.

    Minha pergunta é: aquelas moças que saem aos sábados com a família para passear no shopping, na Praça Saens Peña e que, no passado, frequentavam os tradicionais cinemas de rua, podem mesmo ser estereotipadas da maneira como colocastes? Aquelas meninas que estudaram nos tradicionais colégios da cidade, como o Colégio Militar, Instituto de Educação e Pedro II, merecem mesmo receber esse título?



    Enfim, a volta que dei no Maracanã e depois na Praça Vanhargem, com uma paradinha no Tijuca Tênis Clube, foi só para dizer que o teu texto é extremamente generalizador e que faz o leitor acreditar que o ponto de vista do Juveninho é o de que todas as moças Tijucanas são seres tomado pela “periguetice” e “futilidade” que rodeia a(s) cidade(s). Como uma dica de amiga Tijucana para um amigo do Leblon, sujeriria como título do texto “Juveninho e as meninas do Brasil”. Um príncipio livre de preconceito e descriminação.



    Beijos de uma Tijucana sem silhueta rechonchuda

    Carol

    ResponderExcluir
  4. Tá bombando de periguete universitária ofendida aqui. Atingiu as mal amadas de jeito! Eita!

    ResponderExcluir
  5. Agora escreva um texto sobre as chatíssimas tijucanas politicamente corretas do mundo todo, com ou sem siluetas rechonchudas. Vou me divertir muito! Beijos!

    Janaína

    ResponderExcluir
  6. humor ácido e inteligência de sempre.Parabéns!Duas considerações:Todas as mulheres,do Leme ao Pontal,do Oiapoque ao Chui,do Velho e Novo mundo são muito mais do que se pode ver superficialmente,os preconceitos nos cegam,ah e tem nesse post muito de um tipico "filho da zona sul".No mais o Pim e sua cuca continuam a me surpreender!

    Rafaela.

    ResponderExcluir
  7. Muito legal!
    O "tijucanas" em questão, se eu entendi certo, não é uma referência específica ao bairro Tijuca, tanto que ele fala de "tijucanas" chegando de todos os cantos do Brasil no Rio.
    Ele também não está chamando todas as mulheres com essas características de "tijucanas" porque tem muita gente assim na Tijuca, mas porque a Tijuca fica entre Zona Norte e Zona Sul, e todo mundo sabe que é a "Zona Sul da Zona Norte", unindo características. Ele fala das "tijucanas" como exemplo daquelas que unem o que há de pior nos mais simples (falta de senso estético e de profundidade intelectual) com o que há de pior nas elites (esnobismo e futilidade), lamentando porque não encontra o contrário, aquelas que unem o melhor dos dois grupos (quando fala na "morena capaz de unir a simplicidade alegre da Zona Norte ao horizonte mental da Zona Sul").

    ResponderExcluir
  8. Sub-tijucano (morava na Rua Mariz e Barros) velho, hoje morador do Leblon (ficção inventada pela Rede Globo) acho que o colunista foi injusto com as tijucanas. As que conheci, em geral, não diferiam das demais habitantes do Rio de Janeiro, tinham até um senso de individualidade maior do que as patricinhas que observei tempos depois na PUC, todas vestidas, penteadas, "saradas" e falando com a mesma irritante uniformidade.
    (Gustavo Silva)

    ResponderExcluir