sábado, 25 de fevereiro de 2012

Manual do Pós-Carnaval

Sucesso no facebook, o Manual do Pós-Carnaval [de 24/02] deu sequência ao Manual do Carnaval [de 17/02], cuja repercussão já havia sido bem grande antes da folia. Alguém, afinal, tinha que botar ordem na bagunça... Eu, o Lair Ribeiro carnavalesco, nem sempre publico aqui meus textos ou comentários feicebuquianos, portanto o leitor pode (e deve!) me adicionar por lá e ficar sempre por dentro das atualizações. O Blog do Pim se estende ao facebook - e vice-versa. Seja bem-vindo.

MANUAL DO PÓS-CARNAVAL PARA AS MOÇAS

1. Seja simpática com quem você beijou.
(Não é porque não está mais interessada que vai ignorar chamadas ou mensagens, sobretudo as primeiras. Deixe de ser besta.)

2. Não publique comentários cifrados - entre risos de "miguxas" - sobre a sua pegação carnavalesca.
(Facebook não é salão de cabeleireiro. Quando a mulher abandona o pudor, mais cedo ou mais tarde todo homem a abandona.)

3. Ignore as "miguxas" em prol de uma oportunidade amorosa.
(A maioria tem um medo mortal de perder a companheira de gandaia. Abra o olho, ou ficará encalhada como elas.)

4. Faça perguntas a quem lhe interessou.
(Poucas coisas são mais descartáveis do que uma mulher sem curiosidade.)

5. Cultive sem molestar.
(Entupir um homem de mensagens é coisa de adolescente. Esperar dele todas as iniciativas, de mulher-objeto. Seja adulta.)

6. Concentre-se nas relações viáveis.
(Mas lembre-se: morar longe não impossibilita uma relação mais séria; o que a impossibilita é não ter planos de morar perto. Converse e avalie.)

7. Não volte para o ex-namorado só porque o carnaval acabou.
(Na dúvida, volte para o Rio - ou para o facebook -, onde o carnaval nunca acabará.)

8. Trate-se como prioridade, antes de esperar que um homem o faça.
(Não esconda de si o que lhe falta, meu bem. Ninguém cresce sem auto-humilhação.)

9. Se sentir muita saudade da euforia, procure a terapia.
(Todas as máscaras caem no divã.)

10. Vá ao ginecologista.
(Agora e sempre, ok?)

MANUAL DO PÓS-CARNAVAL PARA OS MOÇOS

1. Vá ao urologista.
(Não é porque você ainda consegue armar o barraco que ele está tinindo...)

2. Invista em quem o encantou.
(Não pague o carnaval do ano que vem antes de colher os frutos deste.)

3. Respeite os desejos e escolhas das moças.
(Nem sempre a culpa é sua quando elas não querem você.) (Mas reflita se não é.)

4. Repreenda quem o beijou, mas o ignora.
(Condenar a falta de educação das moças é obrigação moral dos moços.)

5. Releia o Manual das Moças, tentando compreender o seu papel.
(Qualquer dúvida, pergunte diretamente a elas, anexando uma cópia.)

MANUAL UNISSEX [OU REGRAS GERAIS]

1. Valorize as amizades certas.
(Amigo não é quem pula junto o carnaval. É quem não se importa de pular sozinho, se for pelo seu bem.)

2. Conheça as pessoas e permita que elas conheçam você.
(Há mais coisas entre um "olá" e uma trepada do que pensa a sua vã bestialidade.)

Obrigado e tenham um bom ano, crianças!

*****
Leia também, no facebook, o Manual do Carnaval.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

O UFC petista

 
Dilma, Raúl Castro e Jaques Wagner em Cuba: só alegria

O governador Jaques Wagner abandonou a Bahia
num caos de segurança pública
e foi a Cuba com a presidente Dilma Rousseff.
É o primeiro mandamento do PT:
"Amar a Fidel sobre todas as coisas".
(03/02/2012 - aqui)

Se você achava o UFC (ou a Faixa de Gaza) o máximo da loucura humana, espere só até conhecer o Carnaval de Salvador sem PM.

Sugiro que o governador Jaques "Pego de Surpresa" Wagner, do Partido "Sempre Pego de Surpresa" dos Trabalhadores, saia sem seguranças na "pipoca" do Camaleão de domingo, para mostrar ao Brasil que está tudo sob controle, apesar dos mais de 100 homicídios desde o começo da greve.

[E tem que cantar: "Eu quero uma latinha/ transbordando você". Senão, não vale.]

Reinaldo Azevedo já mostrou no site da revista Veja que Jaques Wagner estimulava a farra da PM quando era da oposição em 1991/92 (hoje, chama os grevistas de "bandidos"). Mas isto não é apenas o retrato do modo petista de fazer política, apoiando tudo que denigra a imagem de um governo adversário. Isto é o feitiço agindo contra o feiticeiro de rabo preso.

Entre todos os freios morais que o PT removeu de vez do ambiente cultural brasileiro, um dos mais graves foi aquele que impediria a polícia de deixar a população a mercê da bandidagem, mesmo em caso de reivindicação por melhores salários. E o partido - imagine! - ainda quer o desarmamento civil...

Os policiais militares que hoje praticam abertamente o terrorismo estadual - em nome do bem, claro... - tiveram ótimos professores de motim: Jaques Wagner, José Dirceu, Lula, toda a ala de micareteiros da moralidade nacional, sempre protegida pela imprensa cordeira (com duplo sentido, para quem entende de folia baiana).

Às vésperas da mais nova contribuição do petismo à cultura, o Ultimate Fighting Carnival (já cobiçado, inclusive, pelas polícias de outros estados), ainda há no entanto alguma esperança: se a única agonia relevante para um petista é o desgaste político, e se o carnaval é a razão de ser da Bahia, é provável que tudo se resolva até lá.

******

Nota de rodapé: Se você está na dúvida entre vender ou não abadás e camarotes do Carnaval de Salvador, fica a dica: exija do PT a devolução do seu dinheiro; ou, quem sabe, uma viagem a Cuba.

******

Pós-escrito de 08/02 no facebook: A grande imprensa não vai dizer que a PM da Bahia - liderada pelo arruaceiro profissional e multiestadual Marcos Prisco - aprendeu a fazer greve com o governador Jaques Wagner e a cúpula do PT (como escrevi ontem)? Que foi patrocinada por eles em 2001, com a doação, segundo Prisco, de mais de R$ 3 mil, além da colocação de veículos à disposição dos policiais? O Jornal Nacional, que conversou com Prisco, achou relevante noticiar apenas sua opinião sobre gratificações e revogações de prisão, sem nem uma palavra sobre ele ter feito campanha para a primeira eleição de Wagner, a quem chama agora de "traidor"? Não vai sequer confrontar Wagner com seu próprio discurso de 1992 incitando a desobediência policial ao então governador adversário? Vai ficar, em suma, mostrando as versões de cada lado do imbróglio, sem jamais ligar os pontos e apontar causas ou, ao menos, contradições? E você ainda se informa pela grande imprensa? Ainda assiste à TV? Cuidado: assim você acaba mais perdido que os partidos de oposição no Brasil.

Pós-escrito 2: Num país em que a PM faz greve, toda campanha de desarmamento civil é um convite ao suicídio.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

A droga da beleza

E lá vão elas, fugindo de si, ao contrário das cadelas que, ao correr atrás do rabo, ao menos podem se alcançar fisicamente.

Vão aniquilando férias com pacotes de turismo, como quem subtrai o tempo vindouro em pinceladas de cartão de crédito, sonhando encontrar em paisagens desconhecidas a liberdade, a independência, o desafogo do tédio e dos limites do ambiente social imediato, dos quais só concebem escapar pela distância geográfica.

Vão colhendo em fotografias os cenários que melhor se encaixam à sua vaidade, formando com eles um conjunto de beleza natural e humana em seu estado mais bruto e hipnotizante, a cegar de paixões febris aqueles que o contemplam virtualmente de longe, paralisados diante de uma imagem que lhes promete a felicidade eterna, sem avisar que, na prática, jamais poderá proporcioná-la.

Entre pulos, bebidas e sorrisos, elas percorrem as mais fabulosas praias, cachoeiras e montanhas, reconhecendo em cada vista deslumbrante uma oportunidade de se fazerem ainda mais belas e desejadas, até o ponto inevitável de esquecerem o caminho de volta: aquele pelo qual desceriam do pedestal (a rigor, da prateleira) de objeto de desejo para o chão de sujeito interessado, oferecendo aos outros muito mais que um vislumbre de sua pele queimada de sol.

Sem atinar que a fotogenia feminina em recantos paradisíacos é um ideal publicitário de plenitude, elas o perseguem junto às amigas, conscientes do valor que obterão no mercado dos homens, tão sedados pela droga onipresente da beleza imediata que já não sabem reconhecer as demais qualidades - morais, intelectuais, de senso de humor - necessárias à sua satisfação amorosa em longo prazo.

Quanto mais elas se expõem pelo mundo real e virtual, mais eles se embriagam de desejo. Quanto mais elas inflam - às vezes, literalmente - seus atributos, mais eles inflam a atração que elas despertam. E ambos inflados, iludidos do que podem sustentar na realidade, desencontram-se diariamente, deixando um rastro de rancores, angústias e paixões descabidas que torna o ciclo cada vez mais frustrante.

Se sempre haverá plateia para o exibicionismo das musas, estranho é que tão poucos consigam tocar a vida a despeito delas.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Mais burros que Dilma


Eu sei o que Dilma Rousseff cochichou com Raúl Castro em Cuba.

Traduzo livremente do dilmês.

DILMA ROUSSEFF

Ocê acredita, Raulzito, que, no Brasil, o povão e a zelite ainda acham que eu lutava por democracia nos anos 1960/70?

Que ainda culpam os militares por terem impedido o nosso sonho?

Que ainda creem que a nossa “luta” começou por causa do "golpe" deles, e não que o "golpe" deles se deu em 1964 – com apoio do Congresso e de toda a opinião pública – para conter a nossa “luta”, que vinha desde 1961, com atentados, sequestros e bombas, tudo devidamente acobertado pelo presidente João Goulart?

Que ainda ignoram a nossa fonte cubana de inspiração e financiamento?

Que, mais ainda, claro, ignoram que a reação militar brasileira foi a menos violenta e sanguinária jamais havida no mundo a uma revolução comunista?

Que ainda igualam o período militar à ditadura castrista, como se a morte de 424 pessoas – a maioria armada, em combate –, durante o processo de contenção de um movimento revolucionário que, em 1935, já havia matado mais de 500 pessoas em apenas uma semana de levante, fosse tão grave quanto a morte de 100.000 dissidentes e reféns do seu regime, Raulzito?

Que, apesar disso e das mais de 120 vítimas feitas pelo "nosso lado", ainda julgam o período militar muito pior – e mais assassino – do que teria sido um governo socialista nos moldes cubanos?

Que ainda julgam o período militar muito pior – e mais assassino – do que o período petista, que está agora, comigo, no terceiro mandato, permitindo 50.000 assassinatos por ano no país?

Que, mesmo assim, quando queremos denegrir a imagem dos nossos adversários políticos e/ou conservar as ilegalidades que nos interessam politicamente, basta demonizar a polícia militar das regiões governadas por eles, inventando uma porção de casos de truculência para requentar assim a mentira oficial de que sempre lutamos heroicamente contra qualquer ditadura?

Ocê acredita, Raulzito, que, se, em nome dos direitos humanos, eu igualar os prisioneiros políticos desta ilha aos terroristas sob custódia americana em Guantánamo, nenhum jornalista brasileiro notará a diferença?

Que eu posso me fazer de vítima da tortura militar no Brasil e, ao mesmo tempo, viajar até aqui para abraçar o companheiro cujo hobbie era amarrar prisioneiros em árvores, preparando-os para o fuzilamento?



Que o povo e a zelite jamais entenderão que a única diferença entre a esquerda brasileira e os irmãos Castro é que vocês vendam os olhos dos prisioneiros para fuzilá-los, enquanto nós, hoje, podemos deixar a população de olhos bem abertos porque nossos “intelectuais militantes” já passaram 40 anos fuzilando seus neurônios?

Ocê acredita, afinal, Raulzito, que, depois de tanto esforço de infiltração institucional e manipulação ideológica, conseguimos alcançar o incrível resultado de deixar os brasileiros muito, mas muito mais burros do que eu!?

RAÚL CASTRO

Hihihihihihi...

DILMA ROUSSEFF

Do que é que você está rindo, Raulzito?

RAÚL CASTRO

Hihihihihi...

DILMA ROUSSEFF

Ok, ocê pode rir. Todo velhinho sorridente, mesmo que homicida, parece um amor de pessoa... Vamos tirar uma foto?