segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Soneto do coração maduro

[Publicado originalmente no facebook - aqui.]

Meu coração se encanta, não se ilude;
Que o encanto à consciência se antecipa
E se a ela obedece na altitude
É como avião a carretel de pipa.

Se merece — e merece! — uma chulipa
O ingênuo coração da juventude
Não é por se encantar por uma tipa
Mas sim por nela ver maior virtude.

Ao encanto, a beleza, o jeito e as vestes
Juntos bastam; às vezes, inda avulsos
Se aos desejos parecem ideais;

Ao meu amor (à parte os cafajestes)
Malgrado sejam essenciais impulsos
Há muitos anos já não bastam mais.

*****

Felipe Moura Brasil é autor do Blog do Pim (e de seus parênteses).

Nenhum comentário:

Postar um comentário