domingo, 5 de maio de 2013

Shopping “Dimenor”

[Crônica de domingo, inspirada na "notícia" de lançamento da campanha "Adote um menor infrator" - aqui; e publicada originalmente no facebook - aqui.]

- Bom dia. Em que posso ajudá-lo?
- Quero adotar um menor infrator.
- Alguma preferência?
- Queria dar uma olhada... Tem de tudo?
- Temos assassinos, incendiários, estupradores, pedófilos adolescentes, traficantes e por aí vai... Até puxador de carros.
- Não tem assim um ladrãozinho de chiclete do baleiro?
- Chiclete do baleiro?
- É, daqueles de porta de escola.
- Senhor, não trabalhamos com ladrões de chicletes.
- Alguma coisa contra ladrões de chicletes?
- Senhor, eu mesmo roubava chicletes do baleiro da escola. Quem é que é preso por isso?
- Hum, tem razão. Eu também roubava. Aquele "ping-pong", que era menorzinho... Tem ladrão de galinha?
- Senhor, não trabalhamos com...
- Mas por quê?
- Senhor, estamos na cidade. Quem é que rouba galinha por aqui?
- Hum, tem razão de novo. Qual você disse que era o menos perigoso, então?
- Eu não usei esta expressão, senhor. Disse que temos até puxador de carros.
- Isso. Onde estão esses?
- Eu não usei o plural, senhor.
- Usou sim!
- Não em "puxador".
- Você quer dizer que...
- Eu quero dizer que puxador de carros tem saído muito. É o “efeito Chico Buarque”. Ai, ai... Se esse programa já existisse quando ele puxava, ninguém o tiraria de mim! Já imaginou, senhor? 17 aninhos, tocando violão e cantando lá em casa? Meu “F.B.H.”...
- ...
- Quando chega um puxador, a mulherada aqui logo se assanha e confere os olhinhos. Agora só sobrou o "Z.".
- E quantos carros esse "Z." puxou?
- Foram 23, senhor.
- 23!?
- No mês passado, tinha uns três aqui com menos de 10 na ficha e, veja bem, nenhuma Ferrari. Se o senhor tivesse vindo de manhãzinha, ainda pegava o "K.", que tinha puxado 19. Mas, como eu disse, tem saído muito mesmo...
- O "Z." tem Ferrari?
- Ah, que bom que o senhor está interessado.
- Só estou curioso.
- O "Z." não tem mais as Ferraris.
- Isto é um plural?
- Um plural de 23, senhor. O "Z." é um colecionador.
- Colecionador!?
- Se o senhor não tiver Ferrari, é risco zero.
- Santo Deus, deve haver traficantes de drogas melhores que o "Z."!
- Ainda temos dois de crack.
- E os de maconha?
- São os mais procurados, senhor. Eu mesma adotei três no primeiro mês, graças à cota para funcionários. Senão, não daria. Os bacanas do Posto 9 de Ipanema, do Baixo Gávea, das festinhas de música eletrônica gostam muito deles, nunca vi. Ligam toda hora para saber se chegou mais. O senhor quer que eu coloque seu nome na fila de espera?
- Posso ver essa lista?
- Não tenho autorização, senhor. Só posso estar lhe passando o seu número na fila.
- E qual é esse número?
- 14.587, senhor.
- Minha Nossa!... Que outras opções me restam?
- Temos pedófilos adolescentes...
- Eu tenho filha pequena!
- ...estupradores de mulheres adultas... O senhor é casado?
- Divorciado.
- Quer com coronhada ou sem?
- Na vítima?
- Em quem mais, senhor? Estupradores, ainda temos alguns bem tranquilos, com dois ou três ataques vaginais somente, sem coronhada na cabeça. Não os conheço, porque no setor deles, só entram os homens, mas todos dizem que o “H.I.V.”, por exemplo, é um amor. Posso mandar buscá-lo, se o senhor quiser levar para um período de experiência.
- Obrigado, mas acho que não. Minha mãe me visita de vez em quando... É uma senhora enxuta.
- Ora, não se preocupe com isso. Se o seu menor reincidir até os 17 anos, 364 dias, 23 horas, 59 minutos e 59 segundos, ele não pega mais de três anos de recolhimento na Fundação Casa e...
- Eu estou preocupado com a minha mãe, minha senhora.
- A sua mãe, claro. Neste caso, um “isqueirador”, digo, incendiário talvez combine mais com o senhor. Tem alarme em casa?
- Contra incêndio? Sim...
- Pois então. Se o apito for alto, dá tempo de salvar sua mãe, sua filhinha e...
- E os assassinos? Tem algum muito arrependido?
- Ah, que bom que o senhor está interessado.
- Eu não disse que...
- Temos alguns supertranquilos ainda, do jeito que o senhor gosta, com uma vítima só. Coisa assim pequena, de ter atirado porque o sujeito demorou a entregar o celular, sabe? Já notei que o senhor é um cristão bastante dinâmico e caridoso, não vai se atrasar para atender seus desejos.
- Puxa vida, a senhora acha mesmo?
- Com certeza, senhor.
- Minha mulher sempre me criticava por querer ajudar todo mundo, menos ela...
- Pois então. Temos um, inclusive, que é a cara do senhor, até ela vai achar que é seu filho biológico.
- Jura?
- Sem dúvida, senhor. Vou mandar buscar agora mesmo.
- Obrigado, a senhora é muito simpática.
- Imagine. Parabéns por contribuir para a solução da violência com a... com a... desculpe, senhor, eu sempre me enrolo com essa palavra, deixe eu colar do discurso da ministra... “oportunização”... isso... “oportunização de acesso à educação, lazer, saúde etc.” para essas pobres vítimas da sociedade capitalista, neoliberal etc. O senhor pode ir preenchendo este formulário, enquanto atendo uma ligação?
- Claro.
- [Ao telefone] Adote um menor infrator, bom dia, com quem eu falo?... Oi, senhor 423... Não, ainda não chegou... Não, senhor, os meus eu não troco nem pela sua Ferrari!... Aviso sim, ok? Faltam só 327.

*****

Felipe Moura Brasil é autor do Blog do Pim.

Leia também:
- As drogas da época (e o conhecimento que cura)
- Os guris do crime
- Da arte de viver entre guris do crime e garis intelectuais

Nenhum comentário:

Postar um comentário