quarta-feira, 19 de junho de 2013

Ei, manifestante! Vá tomar no 'curling'!

Com a palavra, o maior filósofo brasileiro. Volto em seguida.

1.

"Quer tarifas mais baratas? Acabe com o monopólio das empresas queridinhas do governo, abra o transporte público ao LIVRE MERCADO. É o óbvio dos óbvios."
(Olavo de Carvalho)

2.

"O que a massa sente e imagina não conta. O que conta é: quem comanda? Quem planejou? Quem subsidia? Qual a estratégia geral em que se insere o movimento? A massa, se surgir de dentro dela uma liderança antagônica aos organizadores iniciais, pode, é claro, mudar o curso das coisas, mas cadê essa liderança? Como ela não existe, os anticomunistas que participam dos protestos são a massa de idiotas úteis mais solícita que já existiu."
(Olavo de Carvalho)

3.

"Se houvesse uma liderança conservadora corajosa, lúcida e ativa, esta seria a sua melhor oportunidade de tomar da esquerda a iniciativa do processo, e virar a mesa. Mas, repito, essa liderança não existe, pelo menos entre os civis. Se há alguma nos quartéis, não sei. Há oito anos perdi o contato com os círculos militares brasileiros e, diga-se de passagem, não sou bidu."
(Olavo de Carvalho)

4. 

[E sobre este vídeo:] "Um texto preparado, recitado em uníssono por uma massa disciplinada, é a prova viva de um lance de engenharia social."
(Olavo de Carvalho)

Entenderam, manipuladinhos? Ou querem que eu desenhe?

Àqueles que me pedem para "fazer alguma coisa", ou "influenciar positivamente", ou "ir pra rua", como se eu fosse um líder político ou militar COM OS MEIOS DE AÇÃO (financeiros, sobretudo) para mudar o rumo das massas insatisfeitas como quem diz "Agora, senhores, por aqui!" e assim fazê-las apontar com eficiência para os alvos certos, com o discurso certo, e quem sabe até a coreografia certa (para uma musiquinha do tipo "Quem não pula quer o Lula!"), só tenho a dizer o óbvio: Eu - graças a Deus! - não sou esse cara! Eu não tenho os meios de ação! Não há no Brasil esta figura! Infelizmente, AINDA não há.

Como qualquer estudioso sabe, no entanto, esta figura - esta liderança - só poderá surgir como consequência do trabalho de uma elite intelectual - e eu sou um desses caras! uhuuul! - capaz de explicar que diabos está acontecendo no país, identificando e desmoralizando os responsáveis pelo nosso atraso, sejam eles políticos, pseudointelectuais, empresários, artistas etc., e despertando o maior público possível para a realidade que aí está, com todos os recursos literários e pedagógicos necessários para tanto. Eu sei que, para alguns parasitas, será complicado entender, mas... a ideia vem antes da ação, ok? Sem diagnóstico da doença, não há tratamento adequado. Pior: o tratamento AGRAVA a doença.

E, por enquanto, é só isso que vocês estão fazendo ao seguir as "minorias" terroristas financiadas e orquestradas por agentes invisíveis a olhos nus, e cujos métodos e objetivos vocês desconhecem.

Mas vão lá, senhores. Mostrem com quanta violência se faz um protesto pacífico. Assumam seus papéis no jogo de 'curling' brasileiro. Vão varrendo a pista de gelo nacional para as pedras de granito dos comunistas chegarem cada vez mais perto do seu alvo.

******

Notas do meu plantão virtual

1.

VOCÊS QUEREM TUDO DO ESTADO?

JOVENS BRASILEIROS: Sim, nós queremos!

FIDEL CASTRO: Eu dou!

ADOLF HITLER: Eu também!

JOSEF STALIN: Eu dou melhor!

MAO TSÉ-TUNG: É meu! É meu!

LUÍS XIV: Alguém me chamou?...

2.

A manifestação está ficando cada vez mais criativa, diz uma "especialista" da Globo News. Os manifestantes agora vão logo atrás da "minoria de vândalos" limpando a sujeira, apagando o fogo, reconstruindo o que eles depredam... Uma beleza. Já até separei o meu extintor para levar na próxima. Por um mundo melhor, nada como um trabalho em equipe, não é mesmo?

3.

LOBÃO RECOMENDA O BLOG DO PIM. Pois é. O grande Lobão, autor do necessário Manifesto do Nada na Terra do Nunca, que já recomendei várias vezes aqui, mandou todos os seus seguidores no Twitter verem meu site. Uma honra. E ainda está me defendendo. Outra honra! E agora estou sendo xingado por mais alguns milhares de manés. Milhares de honras!

Ô semaninha divertida essa...



4.

"O que fazer, então? Qual é a solução?" Essas perguntas, contidas em 99% das milhares de mensagens que recebi nos últimos dias, já haviam sido feitas pela moça aí do áudio ao filósofo Olavo de Carvalho em 2010, com a diferença óbvia - para além de seu nível de estudo e consciência muito maior que o da média feicebuquiana - de que ela o fizera educadamente, em vez de xingar o interlocutor e acusá-lo de só reclamar sem fazer nada, nem apontar solução. Calminha aí, seus manés. Não se combate um câncer cultural e político à base de coquetel molotov. O tratamento é longo, e a gente está cumprindo cada etapa dele. Ouçam e aprendam. Ou vão tomar no 'curling'!




6 comentários:

  1. Otimo Felipe!
    E se aparecer esse opositor com certeza tb aparece um Pequeno Guevara das trevas num ato infracional e dá-lhe um tiro sem querer na cabeça.
    Vão tomar no "curling"kkk, seus neandertais jogadores de pedras,Homer Simpsons da Silva.
    Precisa diminuir o preço da banana tb.
    Eu não ví essa placa.
    Valéria

    ResponderExcluir
  2. Maurício Goldberg Neto19 de junho de 2013 13:51

    Prezado Pim,

    Primeiramente gostaria de manifestar a imensa satisfação que tem sido ler seus textos aqui no blog, no MSM e no Facebook. Te conheci por intermédio de um elogio feito a um texto teu pelo prof. Olavo de Carvalho em uma transmissão do programa True Outspeak. Posteriormente, vi um texto teu publicado no MSM, a partir do qual tive a curiosidade de conhecer teu blog. Tenho acompanhado teu blog desde então e, como já mencionado acima, isso tem sido para mim motivo de grande satisfação, não somente pela coerência e lucidez dos teus textos, mas também por perceber que, aos poucos, vão surgindo as novas vozes que têm potencial para nos tirar desse lodo cultural e intelectual em que nos afundaram.
    Apesar de eu ainda ser um tremendo de um ignorante, me considero um resgatado deste quase inevitável pântano em que atolam todos os brasileiros "educados" por uma geração de professores, artistas e "intelectuais" militantes de esquerda. Por mais que meu senso moral sempre tenha se recusado a aceitar certas barbaridades da esquerda, o pensamento marxista havia impregnado tão fortemente a nossa cultura que era praticamente impossível não aderir, ainda que inconscientemente, a algumas de suas teses.
    Por isso, devo muito do pouco que hoje sei à leitura de textos, inicialmente do Olavo de Carvalho e do Reinaldo Azevedo, e posteriormente de outros entre os quais os teus, que me ajudaram a compreender e organizar interiormente o desconforto que passei a sentir em contato com um ambiente cultural pantanoso.

    (Continua...)

    ResponderExcluir
  3. Maurício Goldberg Neto19 de junho de 2013 13:52

    (...continuação)

    Veio em bom tempo essa postagem com a análise daquele que, como você bem mencionou, é o maior filósofo brasileiro. Digo isto por perceber, preocupado, um número cada vez maior de pessoas honestas, algumas até relativamente bem informadas, caindo nessa conversa de "movimento espontâneo", alguns só faltando estufar o peito e gritar, embasbacados, que "o gigante acordou".
    Articulistas, jornalistas e alguns professores críticos ao PT como, por exemplo, o historiador Marco Antônio Villa, começam a manifestar opiniões favoráveis a este movimento, por acreditarem que o mesmo se tornou apartidário e "contra tudo o que está aí". Não percebem que ser contra tudo o que está aí quando só há o que está aí é uma forma de trocar o seis por meia-dúzia.
    Tampouco percebem que, se o movimento tomou dimensões maiores do que as iniciais pela adesão de uma multidão apartidária de insatisfeitos, por não haverem ainda germinado as idéias de uma nova cultura e nem tampouco as lideranças capazes de representá-la (como mencionado pelo próprio Prof. Olavo de Carvalho), o destino inevitável é que aquilo que começou nas mãos dos comunas e aparentemente se desviou pelo caminho termine também nas mãos deles, pois são os únicos grupos políticos coesos e verdadeiramente organizados que existem, e contam com o solo fértil da mentalidade revolucionária cultivado na mente dos brasileiros ao longo das últimas décadas.
    Por fim, parecem ignorar que a aparente espontaneidade que decorre da adesão de pessoas insatisfeitas com o governo do PT não necessariamente significa que haverá uma verdadeira mudança, pois o PT e a ideologia que este representa, como afirmado anteriormente, estão impregnados em suas mentes de uma forma tão sutil e inconsciente que eles sequer sabem que até quando acham que pensam por si próprios, no fundo apenas ecoam idéias e valores que foram semeadas em suas mentes pelos mesmos que pensam combater, como quem tenta apagar fogo com gasolina.
    Por isso, reitero aqui a saudação a esta postagem e acrescento uma saudação às demais postagens tuas via Facebook, que tenho seguido e compartilhado em minha página, pois as considero fundamentais nestes momentos em que muitos se deixam iludir pelas emoções.
    Um cordial abraço,

    Maurício Goldberg Neto.

    Em tempo: gostaria de saber, se possível, se o lançamento do livro que você está organizando sobre o Olavo de Carvalho terá uma sessão de autógrafos pois, se houver, farei questão de prestigiar, visto que numa tal iniciativa tão inédita quanto importante, na prática, os prestigiados somos nós, os leitores.
    Abçs.

    ResponderExcluir
  4. Prezado Felipe, talvez você goste de saber o que Gramsci já falava sobre organizações "apartidárias".

    Leia o trecho abaixo¹:

    Expomos até aqui como Antonio Gramsci define o que é um partido, neste sentido podemos ver que muitas organizações autodenominadas “não-governamentais”, “apartidárias”, etc., na realidade funcionam como partidos políticos, pois visam organizar, educar e dirigir, tendo como princípio a formação dos dirigentes; assim “os ‘partidos’ podem se apresentar sob os nomes mais diversos, mesmo sob o nome de antipartido e de "negação dos partidos". Seguindo esta linha de raciocínio, nosso autor diz que alguns partidos apresentam-se como puramente “educativos”, “moralistas”, de “cultura”, no entanto “o partido é essencialmente político e até mesmo sua atividade cultural é atividade de política cultural”. Ou seja, as organizações que buscam embelezar, camuflar, conquistar uma aparência “positiva”, “neutra” por meio de termos simpáticos como, por exemplo, “cultura”, são na realidade partidos - entendidos em seu sentido lato.

    ¹JURUCÊ, RODRIGO. O partido político para Antonio Gramsci: o papel histórico dos intelectuais e dos aparelhos de hegemonia. Disponível em http://pcb.org.br/portal/precongresso/juruce.pdf

    ResponderExcluir
  5. Pois é, Felipe, parabéns pela lucidez de seus textos. Difícil é explicar para as pessoas, mesmo aquelas bem intencionadas, que nem toda mudança é boa (existem muitas mudanças para pior, exemplo todas as revoluções).

    ResponderExcluir
  6. Tá difícil, tio Pim, tá difícil...


    Mas essa analogia com o 'curling' foi genial! Revigorou os meus 3 neurônios preguiçosos.|¬)

    Tenho percebido um esforço MONUMENTAL pra se negar o óbvio. É o tal ESCOTOMA, né!?

    Ontem mesmo eu até me vesti de Juveninho no Blog Saindo da Matrix (ironia pouca é bobagem) e arrisquei um pitaco: entrar num ambiente pacificamente que vc ignora por completo pra "se sentir solidário e participante de algo incrível e muito maior" e logo em seguida tomar porretada, tiro de borracha e gás de pimenta na cara, é PROVA DOCUMENTAL de que o mundo estaria melhor com vc em casa estudando.

    Sem muitos efeitos positivos.

    Às vezes sinto que estou perdendo a guerra...

    Hoje mesmo- e mais uma vez pra variar- minha irmã- que eu tanto amo- deu pití sobre as origens dessa baderna pacifista (ela até estava disposta a participar de uma hoje aqui no Rio, caso pudesse), começando uma briga inócua comigo (a tal 'CRIAÇÃO DE CRISES' já está instituída dentro dos lares e dos círculos familiares... E isso me aperta o coração). Só porque eu tive a ousadia de ter uma opinião formada que destoa completamente do que já está estabelecido pela Globo (e concorrentes).

    Que que eu faço, tio Pim? Como deveria me portar com aqueles que amo e que nos são mais próximos, mas que, devido à contingência- infernal- criada pela mentalidade revolucionária, estão tão longe da realidade e tão expostos ao perigo? Se puder, aceitaria uma 'terapim relâmpago' pra me dá um norte (mas só posso ti pagar 0,20 centarro no momento :¬)).



    Vida longa pra ti, meu brother. E parabéns por esse 'trabalho do negativo'. E prepare-se para a fama, meu querido, porque essas frases e pensamentos 'suPIMpas' estão ganhando corpo e espaço, e caindo nos bolsos desavisados que NÃO ignoram os 'centavos de sabedoria' postados por ti.
    ;¬)


    Abração pra ti.






    Anderson Silva



    ResponderExcluir