segunda-feira, 3 de junho de 2013

Sessão de TeraPim

[Publicada originalmente no facebook.]

(...) É natural que, não tendo se interessado tanto pela garota com quem você saiu, e nem um pouco pelas duas paulistas que conheceu, você fique pensando em voltar pra sua ex, como se só tivesse essas quatro opções.

Mas isso só quer dizer que as três que apareceram até agora não interessam a você, não que nenhuma mulher vá lhe interessar.

Seu problema é essa ansiedade louca que você tem.

Na vida profissional, você mira longe, busca um monte de coisas que só vão se concretizar daqui a 10, 20, 30 anos.

Na vida amorosa, você quer a solução prontinha na sua frente, sem fazer porra nenhuma pra encontrá-la, senão já quer voltar ao passado e se render àquilo que, no fundo, você sabe que nunca o satisfez.

Você trabalha feito um corno, faz curso disso e daquilo, estuda no fim de semana, e quantas mulheres você conhece? As idiotas sem sal da sua empresa e um par de paulistas das viagens a trabalho. Porra! Grande merda. Tem mais é que sofrer pela ex-namorada mesmo.

Você precisa urgentemente ler O grande Gatsby: "E assim avançamos, botes contra a corrente, impelidos incessantemente de volta ao passado."

Porque você não avança porra nenhuma. Você é impelido de volta pra trás e se arrebenta todo na queda...

Não, você não é ansioso pra casar. Você é ansioso demais é pra encontrar a solução das coisas.

Sua resistência ao estado de dúvida, de incerteza, de falta de preenchimento nesse setor da sua vida, é muito baixa.

Você precisa colocar alguma coisa ali, senão pira.

No dia que você entender que também precisa se dedicar à busca de alguém à altura para a sua vida amorosa, que isso igualmente requer esforço, aproximações, tentativas e erros, e portanto tempo, terá finalmente se dado conta de que é inútil buscar uma solução fácil, simples e errada, para preencher esse espaço tão importante.

Você namorou. Sente saudade. Isso é sofrido. Mas isso é mais sentimento que qualquer outra coisa.

E sentimento — você está bem grandinho pra saber — não é suficiente pra uma relação.

Tem aquela frase do Nick Hornby: "Só porque é um relacionamento e é baseado em coisas sentimentais não significa que não podemos tomar decisões racionais a respeito."

Acontece que as "decisões racionais" também precisam anteceder uma relação de compromisso e certamente inaugurá-la, mas, em termos de "decisões racionais" para relacionamentos, você sempre foi um desastre.

Desde que conheço você, você namora a primeira mulher que aparece.

Sempre foi assim. Sempre! Você namorou até a vizinha, porra! Abriu a porta de casa e pensou: "Pronto. Encontrei". A solução estava no hall do elevador...

Está na hora de mudar isso, a menos que a primeira mulher — ou a primeira vizinha — seja, de fato, alguém que mereça você.

Alguém que desperte o seu sentimento, claro, mas não o sentimento idiota de um menino deslumbrado, e sim o sentimento maduro de um adulto que educou o coração — e pretende um dia construir uma família.

O problema é que hoje todo mundo quer amar, todo mundo quer transar, todo mundo quer fazer a porra toda, literalmente, só não quer educar os sentimentos primeiro.

Então todo mundo só se fode. Literalmente, também.

É como dizia o Nicolás Gómes Dávila: "O homem moderno inverte a ordem dos problemas. Sobre a educação sexual, por exemplo, todos pontificam. Entretanto, quem se preocupa com a educação dos sentimentos?"

Você está começando a se preocupar agora, o que é muito bom, mas ainda precisa de muita teraPim para virar um rapazinho. (...)

[Veja a repercussão no facebook.]

2 comentários:

  1. Brother, muito bom.


    Aonde eu pago a consulta?
    Rsss (o riso é de nervoso amarelado)




    Anderson Silva, do âmago da neurose.

    ResponderExcluir
  2. Conforme-se em passar seus dias com alguém que é quase tudo que você sonhou ou em ficar sozinho para sempre. Nem Jesus Cristo que é o cara encontrou a mulher certa.

    ResponderExcluir