sábado, 7 de setembro de 2013

Os verdadeiros educadores — Olavo de Carvalho, Rush Limbaugh e o 1º lugar na Amazon

[Publicado originalmente no Facebook; e também no Mídia Sem Máscara.]


Rush Limbaugh, o radialista mais ouvido e difamado dos EUA, aquele em quem Obama bota a culpa por todos os seus fracassos, ficou com inveja de Olavo de Carvalho, adaptou a minha ideia do "mínimo" e lançará também, em 29 de outubro, um livro bastante acessível ao grande público - na verdade, um livro infantil, mas daqueles para toda a família, o qual narra a verdadeira história americana através das aventuras de seu personagem Rush Revere: uma forma intencional de mostrar às criancinhas o passado que lhes é diariamente sonegado por militantes esquerdistas travestidos de professores escolares. (Deve ser ruim viver num país como esse, não é mesmo?)

Com um público estimado em 30 milhões de ouvintes, bastou Rush anunciar a pré-venda ontem [quinta-feira, 5 de setembro] que o seu e-book já chegou [menos de 24 horas depois] igualmente ao 1º lugar da Amazon, trazendo à tona as já tradicionais reações orgânicas dos histéricos da internet e da grande mídia, como por exemplo a da âncora da CNN Carol Costello, que se disse um pouco enjoada após ler um tuíte do Huffington Post sobre o lançamento: "I'm a little sick now."

Dez dias atrás, por coincidência, quando o novo livro de Mark Levin já entrou como o número 1 da lista do New York Times, assim como acontece com os de Ann Coulter e até do irmão de Rush, David Limbaugh, o radialista recebeu a seguinte pergunta por e-mail: "Como diabos todos esses livros conservadores podem alcançar o topo da lista do New York Times e o país ainda estar da forma como está? Como diabos isso não faz diferença alguma?"

Rush explicou: "Houve uma bem-sucedida demonização de todos os conservadores, pelo menos por 25 anos, e ela é, obviamente, mais antiga do que isso, porque [Ronald] Reagan passou por ela também. Mas Reagan tinha a capacidade de superá-la porque ele tinha o púlpito da presidência, e ele alcançava todos os americanos quando falava. Mas nós, conservadores, não. Não há nenhum outro conservador que realmente alcança todos os americanos.

Reagan fazia isso e foi capaz de evitar e, essencialmente, desqualificar toda a demonização que fizeram dele. Mas a esquerda não está interessada em debater conosco, e eles não estão interessados em ganhar um debate na arena das ideias. Eles estão morrendo de medo das nossas ideias - e, sendo assim, a forma como eles buscam a vitória é tentar desacreditar todo e qualquer um que alcançou alguma credibilidade com ideias alternativas ao esquerdismo.”

De fato, como eu havia escrito no artigo "A Flip e a Folha: uma festa caolha": "A esquerda vive de manter o público afastado das refutações de suas mentiras, como se nem sequer existissem aqueles que as refutam. É assim na Flip. É assim no mercado editorial. É assim nas escolas e universidades. É assim na grande mídia. É assim por toda parte, desde que os esquerdistas adotaram a revolução cultural gramsciana" etc. etc. etc.

É evidente até pelos números, no entanto, que 'Rush Revere and The Brave Pilgrims' e 'O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota', em que pesem as diferenças substantivas entre o livro infantil de um radialista - ainda que extraordinário - e um de crítica cultural de um filósofo - sem dúvida extraordinário -, têm o poder de alcançar, informar e educar senão todos os americanos ou brasileiros, ao menos muito mais do que aqueles que acompanham ou acompanhariam espontaneamente o debate público a fim de saber que diabos se passou ou se passa em seu país, bem como o que isso importa para a sua vida mental. (Até porque os pais ou amigos mais conscientes quase os obrigam a ler, conforme, no caso do "Mínimo", era mesmo meu objetivo.)

Falar ao coração das pessoas de qualquer idade, com o senso de humor e o embasamento intelectual faltantes nas classes falantes, é um dos desafios que os educadores de verdade precisam enfrentar para driblar a demonização sofrida durante as décadas de estabelecimento da hegemonia cultural esquerdista. O 1º lugar na Amazon, tanto lá quanto aqui, guardadas as devidas proporções de público leitor, é a prova de que podemos vencer essa partida e recontar a verdadeira história dos nossos países ao grande público.

Inspirado no livro de Rush, aliás, não vejo a hora de organizar as aventuras de "O Rei dos Olavetes contra a tribo dos Tomonokús".

Aguardem aí, crianças, que esse tem tudo para ser best seller também.

*****

PS: Alguém, por favor, explique aos graduados em Paulo Freire que a inveja de Rush e a adaptação da minha ideia são chistes, ok? Aproveitem e expliquem o que são chistes também. Obrigado.

*****


RESENHAS DO "MÍNIMO" [que também chegou a 4º lugar na Veja e no Publish News na segunda semana na lista, além de 4º no Globo, já na primeira]:

- Reinaldo Azevedo [Veja.com]
- Leonildo Júnior [Revista Vila Nova]
- Nivaldo Cordeiro [vídeo no Youtube] 
- Rodrigo Gurgel
- Luciano Henrique Ayan
- Paulo Briguet
- Ronald Robson + Notas de FMB e OdeC
- Angelo Da Cia + Réplica de FMB + Comentários de OdeC
- Luís Antonio Giron [Época.com] + Réplicas de OdeC aqui, aqui e aqui + Fotomontagem de FMB

http://felipemourabrasil.com.br/
https://www.facebook.com/ominimoquevoceprecisasaberparanaoserumidiota

3 comentários:

  1. Obrigada pela oportunidade de ler o texto do tal Giron. Se não fosse por aqui, talvez nunca tivesse conhecido esse jornalista tão - como direi? - perspicaz... Definitivamente, "O Mínimo" não foi escrito para ele, porque ele... já é!

    ResponderExcluir
  2. Olá Felipe, parabéns pela iniciativa de compilar os textos do Olavo e transformar esta compilação em livro. O sucesso está aí. E pelo que vemos isto é só o começo. Finalmente a fnac me enviou um e-mail dizendo que meu exemplar está chegando. Também vou tirar uma foto com esta preciosidade e ajudar a divulgar esta obra.
    Grande abraço, parabéns e que Deus te abençoe...

    PS.: Este título "O Rei dos Olavetes contra a tribo dos Tomonokús" é sensacional...kkkkk

    André Serrano
    GuarUlhos - SP

    ResponderExcluir
  3. É Felipe,
    é muito ruim mesmo viver num país com Nosferatus no poder, sugando a quem passa horas estudando, trabalhando, num esforço solitário feito com exaustão. Eles nem imaginam o que seja isso, só fazem destruir. São desalmados que tem essa nefasta identidade com as trevas. Socorro!
    Quanto mais um sábio diz a Verdade, mais aparecem esses vampiros mentirosos para sugá-lo.
    Tremeram quando “viram o peso” do “Mínimo...”, a lombada trincante e o conteúdo demolidor, livro eterno para consulta, tem que estar sempre à mão, uma Jóia! 3ª Ed!?

    Ótima a idéia do livro para crianças. “O Rei dos Olavetes contra a tribo dos Tomonokús”!rs. Para desespero dessas entidades, seria brilhantemente educativo e elucidativo.
    Que forma mais lúdica de irritá-los e vê-los passando vergonha, que divertido...
    Cap: ” O ataque dos invejosos.” e “Trchiste”, para eles, rs,

    Ler Olavo, é um Oásis encontrado nesse angustiante deserto de engano universal.
    É para matar a sede da Verdade. Olavo merece esse reconhecimento por ajudar a humanidade, e parabéns à essa equipe que trabalhou e fez isso.
    Ler Felipe, é a liberação de endorfinas necessárias para essa situação tensa -- que é estar vivendo entre os babuínos -- e então poder rir dos “micos” que eles pagam. Obrigada.

    Bj , boa sorte e Paz na Terra,
    Valéria

    ResponderExcluir